Água / Qualidade da Água

RELATÓRIOS ANUAIS DE QUALIDADE DA ÁGUA TRATADA

A legislação brasileira exige que sejam seguidas algumas normas padrão de qualidade da água por parte de todos os órgãos de saneamento do país. A Portaria 2914 do Ministério da Saúde institui normas relativas ao controle da qualidade da água tratada e distribuída. Todos os laboratórios do Semae superam os padrões mínimos exigidos referentes à qualidade e quantidade de amostras coletadas. Além desta, os laboratórios cumprem o que determina a Portaria 10/99 da Secretaria Estadual da Saúde que especifica o teor de flúor na água e o CONAMA 357 que se refere à água bruta.

PARÂMETROS UTILIZADOS NAS ANÁLISES DE ÁGUA

1 - Análise Bacteriológica: O objetivo do exame bacteriológico da água é fornecer informe a respeito da sua potabilidade, isto é, ausência de risco de ingestão de microorganismos causadores de doenças, geralmente provenientes da contaminação pelas fezes humanas e de outros animais de sangue quente. As bactérias do grupo coliforme constituem o principal indicador de contaminação microbiológica da água. Uma água, para ser potável, não pode conter bactérias do grupo coliforme e, principalmente, coliformes termotolerantes, pois a presença destes indica o risco potencial da ocorrência de bactérias patogênicas. 


2 - Análises Físico-químicas: Estas análises são feitas por parâmetro. Cada parâmetro fornece uma informação diferente, conforme explicações abaixo:

• Turbidez: A turbidez é causada pela presença de partículas em suspensão, tais como algas, zinco, ferro, manganês, areia, matéria orgânica, inorgânica e micro-organismos. Em excesso, afeta a qualidade estética da água e também a qualidade sanitária, pois águas muito turvas podem carregar consigo organismos patogênicos. 

• Cor aparente: A cor é causada por substâncias dissolvidas na água. Essas substâncias podem ser de origem orgânica ou inorgânica. Como exemplo de substâncias orgânicas podemos citar os vegetais, que se decompõem, dando origem ao que se convencionou chamar de "húmus" e como exemplo de substâncias inorgânicas podemos citar alguns metais, tais como ferro e manganês. A determinação da cor de uma água é, antes de tudo, a caracterização estética, sem grande significado sanitário, pois uma água isenta de cor pode ser menos potável do que uma água colorida. Quando a cor está acima dos padrões, além de esteticamente inaceitável, pode manchar roupas, peças sanitárias, etc. 
• Cloro residual: O hipoclorito de sódio é utilizado no processo de desinfecção, o qual visa a garantir um meio isento de micro-organismos causadores de enfermidades. Garante a potabilidade da água.

• Fluoreto: O Flúor é determinado na forma de íon fluoreto. É importante na prevenção da cárie dental e pode ocorrer naturalmente. O excesso de flúor pode causar fluorose dentária, caracterizada pelo surgimento de manchas nos dentes da população, cuja coloração pode variar do branco ao marrom escuro, alterações ósseas, inflamação no estômago e intestino. 
 
• pH: O pH é importante, visto que o mesmo influi nos processos de potabilização e desinfecção da água. O pH é uma característica importante das águas de abastecimento, dada a sua influência na coagulação química, na desinfecção, no amolecimento de água e no controle da corrosão. O pH ácido pode levar à corrosão das tubulações e o pH básico diminui a eficiência do cloro na desinfecção da água.
• Coliformes: Bactérias do grupo coliformes presentes na água indicam a existência de organismos patogênicos que transmitem doenças como febre tifoide, disenteria, cólera etc.

• Alcalinidade: A alcalinidade mede a capacidade da água em neutralizar ácidos, constituída especialmente de bicarbonatos, carbonatos e hidróxidos. Alcalinidade em níveis altos pode trazer sabor desagradável. A determinação da alcalinidade é importante para o controle da coagulação.

• Dureza: A dureza é derivada de sais de cálcio e magnésio e é tida como uma medida da capacidade da água de precipitar sabão. Em concentrações elevadas consomem muito sabão na limpeza em geral, deixam resíduos insolúveis e causam corrosão e incrustações nas tubulações.
 
• CO2 Livre: As fontes principais são a decomposição de matéria orgânica e a respiração de micro e macro-organismos. Aparece também como produto da reação do sulfato de alumínio com a alcalinidade da água bruta.

• Matéria orgânica: Tem origem animal ou vegetal, é proveniente de liquens, vegetais inferiores, humos e excrementos de animais e despejos cloacais. Pode conferir à água gosto e turbidez.

• Oxigênio dissolvido: É o parâmetro mais importante para expressar a qualidade de um ambiente aquático. Para manutenção da vida aquática são necessários teores mínimos de oxigênio dissolvido entre 2 e 5 mg/L.

• Condutividade elétrica: Indica a capacidade natural da água em transmitir corrente elétrica em função de substâncias dissolvidas como ferro, manganês, potássio, cloro, sódio, cálcio, magnésio. Pode ser eventualmente relacionado a lançamentos de efluentes.

• Temperatura: tem influência direta na solubilidade das substâncias, na concentração do oxigênio dissolvido, na formação de subprodutos da desinfecção e no metabolismo de organismos presentes no ambiente aquático. 

 

Nível do Rio dos Sinos

* Medição realizada às 7 horas no ponto de captação do Semae.

Ligação Gratuita 0800 510 2910

Unidade de Atendimento

  • SEMAE - Centro

    Rua João Neves da Fontoura, 811 - Centro